terça-feira, 30 de abril de 2013

Itacyr Bocato Jr






Itacyr Bocato Jr. nasceu em S. Bernardo do Campo, no bairro Baeta Neves, há 48 anos. Aprendeu violão em casa, mas a sonoridade dos metais o atraiu para a bandinha da escola estadual, com 7 anos incompletos. Após um semestre de teoria, se apresentou ao maestro Irineu querendo tocar trompete ou sax. Como não havia instrumentos disponíveis, teria de esperar mais seis meses "estudando teoria". Pra sair tocando na banda, como ele diz, "trombou" com o trombone.
Nos anos 60, rara era a escola que não tinha a sua bandinha ou fanfarra. Bocato conviveu com grandes músicos de S. Bernardo que saltaram dos campeonatos escolares para o profissionalismo. Uma geração de feras, que marca forte presença até hoje em nossos palcos e estúdios.
Esta turma explodiu acompanhando Arrigo Barnabé, no histórico festival universitário da TV Cultura, em 1979. A quebradeira que eles promoviam no palco chamou a atenção do meio musical, eBocato foi convidado para tocar com Elis Regina no show Saudades do Brasil (1980). Daí pra frente, virou estrela do primeiro time: tocou na banda de Roberto Carlos, acompanhou Rita Lee, Ney Matogrosso e vários astros da MPB, participou de Orquestras e Big Bands. Grava constantemente com a nova geração, como Maria Rita, Simoninha e Jairzinho.
Mas Bocato é um experimentador. Formado em composição e regência, sempre desenvolveu um trabalho instrumental, solista ou em grupo. Em 1982 fundou a Banda Metalurgia, com a qual arrebatou o título de disco instrumental do ano. Gravou discos no Brasil e no exterior, aperfeiçoando sua visão pessoal de música brasileira com improvisos jazzísticos. Em 1997 lançou o antológico "Tributo a Pixinguinha", que apresentou em vários países da Europa, no ano do centenário do mestre.
Morou um tempo na Europa, tocou no Festival de Montreux, balançou a Suíça com o CD "Acid Samba", brilhou com sua banda no Festival Internacional de Moscou em 2004, tendo como convidados João Donato, Wanda Sá e Emílio Santiago.
De volta ao Brasil, gravou os primorosos "Antologia da Canção Brasileira vol. 1 e 2" (Maritaca, 2004), formando com a flautista Lea Freire, um dos grandes duos instrumentais desta década. Seu último trabalho autoral é "Cacique Cantareira" (Elo Music/ Trattore, 2006), onde desfia com sua banda um repertório inédito de alta octanagem.
Dominando todas as vertentes da música popular contemporânea, o homem não esgota seu estoque de surpresas. Como ele mesmo diz, no subtítulo do último CD: "Quebre tudo, mas toque certo!" Hoje Bocato mora novamente no Brasil...

Discografia:

  • 1985 Lixo atômico - Bocato e Banda Bloco
  • 1987 Sonho de um anarquista
  • 1988 Conserto para um trombone quebrado
  • 1989 Abruxa-te
  • 1989 Aqui jazz Brazil
  • 1990 Ladrão de trombone
  • 1996 Bem dito
  • 1997 Tributo a Pixinguinha
  • 2000 Samba de zamba
  • 2001 Acid samba
  • 2004 Cacique Cantareira - Elo Music/Boitatá
  • 2008 Hidrogênio
  • 2012 "Esculturas de Vento"


segunda-feira, 29 de abril de 2013

o Sambernadense Samuel, faz a Chamada para um "Café com Choro"

O meu amigo Sambernadense, que estudou comigo na Fundação das Artes de São Caetano do Sul e hoje é professor no Conservatório de Guarulhos, Samuel Cardoso dos Santos, pros íntimos Samuka, chama os Sambernadenses para um Café com Choro... simplesmente imperdível... entrada franca como vc vê abaixo



 
Olá, amigos!
Na próxima segunda-feira, dia 27 de maio de 2013 às 20h, mais uma edição do
CAFÉ COM CHORO.

É um projeto do Conservatório Municipal de Guarulhos, idealizado visando à integração dos apreciadores do choro, sejam eles músicos profissionais, amadores, estudantes de música, compositores ou simplesmente ouvintes. No repertório, músicas de compositores como Pixinguinha, Jacob do Bandolim, Waldir Azevedo, Abel Ferreira, K-Ximbinho e Paulinho da Viola, entre outros. Coordenação dos professores João Geraldo (saxofone/clarineta) e Samuel Cardoso (violão).

Local: Centro Educacional Adamastor/Salão de Artes
Endereço: Av.monteiro Lobato 734 - Guarulhos - SP
Entrada franca

Não percam!

sábado, 27 de abril de 2013

Banda Municipal Infanto Juvenil Cidade das Crianças, patrimônio imaterial e memória musical Sambernadense


Uma das “Bandinhas” que também se destacou foi a Banda Municipal Infanto Juvenil Cidade das Criança.
Formada em março de 1972 teve em seu planejamento inicial constituir-se em mais uma atração da Cidade da Criança. Com 150 crianças recrutadas nas escolas do Bairro Jardim do Mar, tiveram início às aulas de iniciação musical com duração de 7 meses. Em novembro de 1972 a “bandinha” já contava com instrumentos e em janeiro de 1973 fez sua primeira apresentação de inauguração da Mini-Região da Amazônia , área turismo da “Cidade da Criança”.
Fundada pelo Maestro Manoel Afonso Nogueira da Mota, a Bandinha conquistou inúmeros prêmios dos quais podemos destacar:

1979
Participou do Concurso de Bandas e Fanfarras da Rádio e TV Record, classificando-se em 3° lugar na Categoria Geral.

1980
Participou do Concurso de Bandas e Fanfarras da Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo e ficou em 3° lugar na Categoria Geral.
Participou do Concurso de Bandas e Fanfarras da Rádio e TV Record, classificando-se em 2° lugar na Categoria Geral.
Em 1981 a Banda conquistou o 1° lugar no Concurso de Bandas e Fanfarras de Monte Alto

Atualmente a Banda se encontra com os seguintes músicos:

Alexandre José Mendonça
Bombardino
São Paulo
Antônio Ricardo T. de Almeida
Trombone
Fortaleza-CE
Cláudio Silveira
Gênis
São Paulo
Carlos Roberto Mónari
Contra Baixo
São Bernardo do Campo
Edmar Tadeu Mendonça
Trombone
São Bernardo do Campo
Ingrid Marks Campos
Caixa
São Paulo
João Luiz Tibério Pinto
Clarinete
Santo André
Maria de Lourdes Pinto
Requinta
Santo André
Orlando José de Mendonça
Contra Baixo mi b
São Paulo
Paulo José de Mendonça
Trompete
São Paulo
Regiane Rosália Martinez
Clarinete
São Bernardo do Campo
Roseli Aparecida Martinez
Clarinete
São Paulo
Fábia Garla
Caixa/ Clarinete
São Bernardo do Campo
Ricardo Garla
Surdo/ Trompete
São Bernardo do Campo
Lara das Neves
Surdo/ Saxofone
São Bernardo do Campo
Rogério Molinari Teixeira
Surdo/ Trombone
São Bernardo do Campo
Sandra de Oliveira Reis
Surdo/ Saxofone
São Bernardo do Campo





 Este Blog: Uma história de vitórias para uma banda que ia fazer apenas o coreto da então conhecida no Brasil inteiro como primeiro parque temático voltada para a socioeducação, entretenimento e fazia parte do Pavilhão Vera Cruz, o Primeiro Estúdio Nacional  ... Esta era uma das melhores bandas de São Bernardo do Campo, destruída em meados de 2002, 2003 onde vemos uma certa responsabilidade do Poder Público em não disponibilizar mais recursos.
Quem a viu, ouviu, ficou deslumbrado, quem não a viu nem a ouviu, bem, digo que será muito difícil termos uma com tão bom repertório e sonoridade.
Nos integrantes vemos um certo interesse por famílias, como Ditinho da Congada diz, a educação vem de casa, a cultura passa de geração à geração, como no caso da Congada.
O blog quer esclarecer o seguinte, se passa de geração à geração, o que irei mostrar para os que virão?  

Gosto do Ditinho... pra resolver a Cultura é tão fácil, mas infelizmente não há vontade do poder público, e Ditinho passa com tanta clareza!!!

Nem tudo se encontra nos sites. E para ter um melhor aproveitamento do conteúdo e estudar de verdade a matéria, só um bom livro.
Ricardo Pontes
22/03/2014 por Mozart Faggi
E vamos encontrando mais pessoas que fizeram parte da Banda Municipal da Cidade da Criança... como eu disse as informações voam.
Naquela época, não prestavamos atenção a fotos, não davamos a importância devida. Hoje sabemos que ter um documento desses é valioso... Encontrei o fautista doce, Maurilio Duduch Silva que outrora em essa foto era o prato.
Encontrei a Clarinetista Keli Aragão, que tem uma performace fantástica no Chorinho que também dá aulas na Triade
Me emociono a cada dia que passa, essa foto não foi em vão! Esse blog não foi em vão.

Banda Municipal Infanto Juvenil Cidade da Criança, do coreto para vencer e ganhar títulos.








terça-feira, 23 de abril de 2013

Funarte diz que cultura musical terá uma abordagem melhor(todo ano a mesma coisa)

O presidente da Funarte, Antonio Grassi, recebeu, na segunda-feira (8/4), representantes de entidades civis da área da música para avaliar e discutir a proposta de realização do Seminário Nacional da Música, em novembro. A reunião, solicitada pelo Fórum Nacional de Música, contou também com a participação de integrantes do Colegiado Setorial de Música, das Cooperativas de Músicos de Minas Gerais e São Paulo e do Sindicato de Músicos do Rio de Janeiro.
O objetivo do Seminário Nacional de Música é debater questões como a revisão da regulamentação da profissão de músico, o status da Ordem dos Músicos do Brasil, a situação do ECAD, as novas tecnologias e novos modelos de negócio em música, o ensino de música nas escolas (implementação da Lei 11.769/2008), além de estratégias para a exportação da música brasileira e o cooperativismo na área, dentre outras ações. “É importante debater assuntos prementes para o setor e colher contribuições de diferentes especialistas que expressem suas opiniões. O intuito é enriquecer o encontro e adotarmos as medidas possíveis na concretização das propostas”, afirmou Antonio Grassi.


 Este blog: incrível que existe gente que ainda acredita na funarte! a OMB foi uma das formas para a Funarte existir, no entanto, vieram os ecad, cooperativas de músicos do Brasil e a Funarte não pode e nem pôde ajudar uma pulga malabarista.
o pior é que ela esta, em velocidade, matando nossas bandas, nossa cultura...

VAMOS PARAR DE DIZ QUE FIZ, QUERO SABER O QUE HOUVE COM AS BANDAS SAMBERNADENSES... concurso da funarte? piada!

PIOR É TER TANTA COISA PRA DIZER E TÃO POUCAS PESSOAS PARA OUVIR

Ditinho da Congada




Fiquei deslubrado com o grande poder de fogo que nossa gente Sambernadense tem com  cultura. Um deles, o Ditinho da Congada, me surpreendeu e eu sei que já nos vimos em algum dos tempos de Blocos de Carnavais de São Bernardo do Campo, no caso eu estava com o Bloco Aquarela, tocando meu sax a muito tempo atrás nas ruas de SBC...
Vou repassar o que Ditinho disse para nós em reunião no SNC na câmara dos vereadores em SBC, com a presença de outras cidades, diretoria de cultura de outras cidades e a Nossa Secretaria, com o Neto sendo o atual empossado do cargo que diga-se de passagem , é uma das maiores tarefas alegrar “Gregos e Troianos”...
A fala do Ditinho , agradecendo a todos, fica assim:

Boa noite, tem quatro personagens na questão da cultura:
1-Tem aquele que francamente tabalha com a cultura;
2-Tem aquele que trabalha na cultura;
3-Tem aquele que vive da Cultura
4-Tem aquele que faz gracinha com a cultura...

Então, precisamos saber realmente “quem somos nós?” “o que nós queremos?” “quem sou eu?” indagou Ditinho.
Responde o porque das perguntas com uma história, pois é vida de um artista que pode ou não ser igual a dele: Porque que eu digo isso? Estou com 61 anos de idade e comecei a dançar Congada com 2 anos de idade, meu pai faleceu com 88 anos e meu pai começou a dançar Congada com 3 anos de idade, estou com um negrinho lá em casa, com 7 meses de idade e quando bato palmas ele já ... no balanço! “Uma coisa que sem dúvida passa geração há geração” e, Ditinho continua com novas perguntas:
Quando eu vejo, pessoas falando sobre os editais, eu pergunto, “pra que os editais?... pra quem são editais?... pra que? (pausa para refletir)
Continua Ditinho, nas conferencias,  eu não fui escolhido para ser delegado, mas fui para Brasília e retornei, não consegui ficar um dia se quer, devido ao descaso...à vergonha!
As conferencias são coisas que devemos ver e olhar. Tem pessoas que saíram de São Bernardo do Campo responsáveis pelas conferências e deixaram as pessoas no saguão(no fundo perguntam, do aeroporto?), sem saber para aonde ir  e eles eram responsáveis pela grana....
Uma outra coisa muito séria, que ele salientou foi: Eu, Ditinho, trabalhei no departamento da cultura por 25 anos e levei até gancho, eu entrei na prefeitura limpando o chão, passa ano e acabei sendo agente cultural, mas antes disso, eu via alguém entrar para conversar com ele e, ele, o diretor de cultura, estava lá lendo um jornal! Fui eu conversar com este diretor a respeito.Vejam este perfil de um diretor de cultura que fica lendo um jornal, sossegado, sim pois cultura não é apenas cantar ou dançar, é no modo de ti falar, das mãos, do olhar, no modo de observar as pessoas e eu pedi “um minuto da atenção do diretor”, então, logo veio a resposta do diretor: Benedito, estou há algum tempo para dizer isso a você, mas vc é muito atrevido para ser servente (!) Benedito, respondeu na mesma moeda, e já que fora colocado como atrevido, mandou bem em dizer,  “não sou” “e você não tem a mínima sensibilidade e educação para ser diretor de cultura...” então, mandaram-me no outro dia eu catar papel lá na biblioteca Monteiro Lobato !
O diretor de cultura se mostra incapacitado para ser “Diretor da Cultura”
Ditinho continua com outro fato importante, fazendo um apego, participei da greve de 41 dias do sindicato metalúrgicos, e nós também... até aquele momento, e entre eles nunca se discutia cultura dentro das fábricas, nós discutíamos salários e com essa discussão sobre cultura o que acontece? Quando um candidato entra nas eleições, vão nas vilas e bairros e dizem sobre habitação, educação e saúde... Se ele falar em CULTURA o candidato dá uma pincelada  diz “aqui vai ter show” aqui...é isso!!!, ele não diz: A Cultura vai fazer parte da educação, Cultura fará parte da saúde, a Cultura fará parte da habitação...
Uma outra coisa é o nosso carnaval, que vejo uma grande possibilidade de mostrar aos nossos munícipes aos nossos cidadãos a importância o valor da nossa cultura
Mas porque Ditinho diz que o cidadão Sambernadense não dá o devido valor a Cultura? Simples... Se acaso sairmos dessa reunião e formos às ruas, vamos encontrar pessoas reclamando  do lixo que está lá há dias! Se vão ao médico em uma UBS ou uma UPA ou até o PS, vão reclamar que estão lá a mais de 4h sem ser atendido! (isso é loucura) diz Ditinho! Se referir a habitação.... bem é só perguntar quantos estão nas filas e há quantos anos afins!  Então, quando se discute cultura o que ele trás? Pra dança, pro teatro, pra cultura popular, mas não se fala nos editais de onde, para que o pessoal possa ter um revezamento dentro da saúde...
Vem Zeca Pagodinho, os palcos são montados nas ruas e desmontados, todos os artistas da cidade vão usufruir disso? Toda a secretaria está envolvida neste processo? Não ta!Dintinho diz.
Quando Ditinho disse por baixo do Carnaval, mencionou que se alguém pegasse o enredo de uma escola e dissesse sobre educação, saúde, habitação, sobre meio ambiente ou daqui a pouco olha para escola e diz, este ano vcs tem que discutir sobre a saúde de Sto André, sobre a saúde de São Bernardo e digo isso porque? Porque a Cultura transforma, a Cultura Popular dá essas condições... Agora, resta-se saber quem é movimento e quem é artista? Eu, Ditinho, sou artista, vou atrás de editais, vou na bilheteria  e é isso!!!! Os outros não, eles são  movimento, são O MOVIMENTO. Mas o que é esse movimento? Sai prefeito entra prefeito, eles não querem saber disso não, olha o que aconteceu com esse povo de cultura nosso, olhe o que fizeram com nossos pontos de cultura?! Olhe as ongs, você pega o estatuto das ongs, estão lindas maravilhosas... mas e na prática? Porém tem gente que tem ong, mas trabalham dentro do poder público, para executar serviços do poder publico e não da ong.
Ditinho ta mesmo sedento neste dia, disse tudo sobre a cultura e agora vejam só:
E a gora para finalizar(esta conversa na vai ter fim, eu garanto que não) Ditinho diz, que as coisas só irão mudar, referindo-se ao Neto e à mesa, que só iremos mudar ela um pouco que, apesar de a educação ter uma verba carimbada, o Brasil, o país, está muito longe em pensarmos nela. A educação, fui para Belo Horizonte ontem e peguei umas palavrinhas com o pessoal e eu tenho mudado... a Educação é um estabelecimento de ensino... EDUCAÇÃO VEM DE CASA... é outra coisa!... que escola ou estabelecimento de ensino não pode ser restaurante... tem governadores, prefeitos que dizem que nas suas escolas as refeições são muito boas, que eles dão 4 refeições por dia (o que é isso, restaurante agora?) Ai vem a professora e diz, tem crianças que vem à escola só para almoçar... tem outros pontos pra comer e a música vai se virando.
Eu acredito que, a cultura vai funcionar quando a verba da cultura for realmente carimbada...
Do mais... trás ... tiram-se alguns VAIs... sempre...nunca vi coisa pior... sim, pois não sou só eu que os utiliza, são todos os cidadãos! Aí vem a pergunta, qual o público que vc atinge(publico alvo) ou no meu caso, qual o público alvo da Congada? (Segura!).
Ditinho continua, com uma certa crônica verdadeira:
Há alguns Servidores que chegaram a ser Diretores de Cultura e, quando chegado ali disse, “Eu não entendo nada de Cultura!!!...” Ditinho da Congada olhou, e pediu, por favor se levante da mesa!.. o Diretor se ergueu, e o Ditinho disse, isso meu senhor é fazer cultura!!! No dia em tivermos sensibilidade , humildade, coragem, sim pois ser um Diretor não é nada fácil, teremos então um representante, em fim da cultura... “QUE OUVE, um velho cidadão!”... agora jogar, buscar, saber de cada um o melhor é papel de um agente de cultura, ou seja, vender simpatia, dar simpatia, almejar simpatia, isso é, quando está dentro do quadro que lhe foi dado, jogar e melhorar e não ficar esperando cair do céu, por isso, desde a Secretaria que temos hoje, devemos ser O MOVIMENTO, senão já sabemos as conseqüências... é por elas que estamos aqui hoje, é pelo meu filho, filha, neto, neta  e até os que virão aos mim, para que todos tenham acesso, todos conheçam, que não fique esquecido, que não seja reconhecido apenas por lazer, pois antes de você ouvir uma música, saiba que dias, meses  foram gastos para uma musica que, vc ouve em 3 min. É justo?

Ficam horas por dia ensaiando uma peça, meses  e talvez um ano, para apresentar em apenas 1:30h ou menos um espetáculo de teatro. Você acha mesmo justo?
Meu tio disse: Ser artista é duro, é um trabalho árduo(ele queria que eu desistisse)... mas se contemplado, tudo vale a pena...diz este blogger... e como vale!
Então, Ditinho da Congada conclui:
Nós aqui reunidos, devemos ser Movimento.Não vamos ficar brigando por editais... nada disso... queremos que a verba para cultura seja carimbada, queremos fazer parte da  se, mas é claro que eu, nós, precisa e todos os artistas precisam, mas devemos ser inicialmente o movimento... “queremos fazer parte da sociedade”.
Hão grupos e comunidades que começam seu movimento, vemos então a chance, de que essas pessoas do grupo, comunidade ou associação vão ser a nossa salvação, que estes vão resolver nossos problemas, então falamos, que maravilha! Este grupo de 4,5 ou 6 pessoas, logo se dissipa, saindo do compromisso que lhes foi cabido e em um prazo determinadamente curto o compromisso com reuniões, diálogos, conversas se esvai.Não podemos pensar como o poder público, onde um vereador, deputado ou secretário e até prefeitos só pensem no povo em épocas eleitoreiras.
Não podemos abandonar o movimento, mesmo que esteja fazendo um trabalho, uma peça ou outra expressão artística , não podemos abandonar!
Se acaso um de nós pegarmos um cargo de consideração, que seria um cargo de confiança, temos que trabalhar em prol do município, mas o município somos nós... Se a prefeitura diz que não pode, ou limita, vai ser duro dizer aos companheiros que, cofiaram em você pensando que seria a solução, que será uma decepção.
Ditinho termina agradecendo à mesa dizendo: Eu sou um cara que briga muito na questão do idoso. O idoso tem algumas “coisinhas” mas estão ai na vida, lutando, e o ruim, o pior para um ser humano, idosos é ter tanta coisa para dizer e tão poucas pessoas com sensibilidade e educação para ouvir... vamos que vamos!!! Termina Ditinho

sábado, 13 de abril de 2013

Na Câmara Municipal de São Bernardo do Campo para debate do SNC


Neto de Oliveira e o grupo FACA

Nos reunimos no dia 11 de abril de 2013, na câmara dos vereadores, no Auditórium com dezenas de personalidades da cultura Sambernadense, dentre outras cidades irmãs e vizinhas na causa para discutir o Sistema Nacional de Cultura, pois para se conseguir algo que venha de recursos Nacional de Cultura, devemos saber como e, o que podemos fazer para 100% do almejado seja executado.
Demandas sobre cultura é que na faltam, uma delas é ter espaços garantidos, pois viver de artes, seja lá qual for, é preciso uma sensibilização do próprio poder público em dar espaços, o que infelizmente cai no esquecimento.
O povo carece de artes, música e cultura e os artistas vão a rua para que o povo não esqueça que aquilo é um trabalho árduo, de dias, mêses trabalhando, para serem executados em 1h ou no caso de música, um profissional trabalha dias ou até meses em uma faixa de música que será executada em 3 minutos....
Ser um artista ,de vez em sempre, é considerado como um hobbie, uma coisa de um desajeitado, mas esquecem que, de quem tem a cultura não cai nas artimanhas dos buracos das drogas... uma coisa que se percebeu em poucos anos é que, Cultura é educação e educação vem de casa, ou estou errado? Hobbie ou lazer e considerado uma coisa não profissional, este é um movimento cultural que não visa o salário, entretanto, não sobrevive sem o mínimo decente ao menos um espaço, coisa que só ficam com grandes(que não são tão grandes)shows.
Na reunião de ontem, dia 11 de abril de 2013, ao invés de discutir o Sistema Nacional de Cultura, que sabemos ser extenso, foram colocados propostas ou algumas falas sobre o que acontece em nossa cidade e, que por ventura, em outras cidades vizinhas também tem o mesmo problema.
Por incrível que pareça , este blog não disse um “A” sobre música, sobre os equipamentos que acho tão essenciais e, no entanto, estamos perdendo, em um dos exemplos, o Centro Livre de Música (CLM). Mas no final da reunião, o Secretário da Cultura Neto, disse querer conversar com os músicos da cidade! Será uma ótima notícia? Este blog, mais o Ditinho da Congada esperemos que sim e os diversos músicos, grupos musicais e incentivadores esperam ser ótimos, excelentes. Nada mais que um passo aos direitos de cidadania e tudo que não vá além da Constituição.
Ditinho da Congada

Maestro Antônio, ex regente da Orquestra Sinfônica de SCS, ex regente da Big Band da FASCS e muito conhecido por músicos do RJ, foi o que eu pude perceber no Show da Maria Rita em 2009 ou 2010 , crê-se e alguns muitos bons músicos do ABC, foi um dos professores e vendo que sendo Maestro, Compositor, Arranjador não estava vendo retorno, um certo descaso político... Ele, o Maestro Antônio , é uma das poucas pessoas que conhecem na pele o descaso político e pode, mesmo arrogante, representar-nos, porém, o povo quer dinheiro e se esquecem da música “Comida” dos Titãns.
Em resumo foi dito sobre “Quem Somos?” que entre os artistas(digo isso para quaisquer categorias,pois das 11 artes podem ser subdividido em vários) ficou uma colocação do Ditinho...” Tem quatro personagens na questão da cultura:  Tem aquele trabalha com a cultura, tem aquele que trabalha na cultura, tem aquele que vive da cultura e tem aquele que faz gracinha, então, precisamos saber, quem somos nós?” fecha  Ditinho da Congada.

Você artista que lê o blog, é que tipo de personagem?

 Gostou? deixe o seu comentário... garanto que não será em vão!

domingo, 7 de abril de 2013

Marku Ribas, swingue e sorriso são eternos

A produção de @marku ribas, em conjunto aos seus familiares, informaram aos fãs e amigos que hoje, 6 de abril de 2013, o mestre partiu para fazer parcerias celestes. Agradecemos a força, as orações, parcerias e grandes amizades seladas nesses 65 anos de vida e 50 anos de carreira. Esse legado jamais perecerá.

Laidinha Pontes e Jota Moraes(Jotinha) 
Marku, grande amigo! Tua risada sonora, teu som, tua energia musical, tuas danças,tua dramaticidade, ficarão sempre conosco.