domingo, 8 de setembro de 2013

A Banda Metalurgia foi uma Banda diferente mesmo..



Zuza Homem de Mello , crítico, jornalista, entusiasta do Jazz como eu mesmo pude aquilatar, quando trabalhava na recepção e acompanhamento dos artistas que participavam do 2° São Paulo- Montreaux Jazz Festival, assinou uma interessante crítica sobre a Banda Metalurgia, que foi publicada na contra capa do primeiro disco lançado em 1982. Em 1979 quando cursava o 1° ano de Composição e Regência de Artes do  Planalto(UNESP) em São Bernardo do Campo , tive a oportunidade de aquele que seria o líder e undador da Banda: Itacyr Boccato Jr ou simplesmente  Boccato. Extravangante, irreverente mas com muito talento, bastavam poucas palavras para identificar a personalidade criativa e o espírito empreendedor do músico. Lembro que muitas vezes matávamos aula para tocar composições improvisadas e aleatórias. Era divertido e ao mesmo tempo construtivo...
Todos Rapazinhos da Banda Metalurgia que transformou o jeito de fazer musica
BANDA METALURGIA(por Zuza Homem de Mello)

Se não estou enganado, a primeira vez que fui ao Lira Paulistana, foi exatamente para ver a Banda Metalurgia. Alguns dos músicos eu lá conhecia de um churrasco que a Elis Regina tinha dado uma noite lá na Cantareira. O César tinha me falado deles nos ensaios do Show Saudade do Brasil, por isso conclui que ia ser um bom show, esse do Lira, com a Banda toda. Mas vou contar: me caiu a cara. Quando eles atacaram o Multinacional, naquele mastigado, passado de funky para baião com uns andamentos quebrados 3/8 e 5/4, bom, daí  para frente todo o mundo no teatro ficou empolgado. Quando acabou foi uma ovação, eles tiveram que bisar e estavam numa felicidade total, Não é pra menos. Muitos deles já se conheciam e tocavam juntos desde os 10 anos, nas Bandas de São Bernardo do Campo que pelo visto pode ser um celeiro de músicos (como eu já mencionei das chamadas “Bandinhas”). Os que levavam jeito, procuravam se aperfeiçoar na Fundação das Artes de São Caetano do Sul, foram tocando em bailes, festas e ai nasceu um quinteto com dois sopros(Lino e Boccato) Eduzinho no baixo, o Mané no piano e Duda na bateria. Aí esse quinteto se desfez, eles resolveram morar uns tempos numa fazenda em Atibaia, ensaiando para bailes; formaram  a Banda Nossa, o grupo foi refeito, e assim , em outubro de 1981 quando surgiu em cena Mauricio Birigui que se entusiasmou loucamente pelo som da rapaziada  e organizou tudo, acabou  formando a Banda Metalurgia. Bom, não foi bem assim que a banda se formou. Cada um teve que tocar em tudo o que é  bocas da que apareceu, show de cantor, bailes, festas de aniversários , conjuntos, show erótico enfim todas as bocas de sabedoria musical. Nesta fase de trabalhos paralelos aconteceram  algumas viagens como a de Guayaquil com Roberto Carlos, onde Boccato compôs “Lá em Guayaquil” os inevitáveis conflitos domésticos, daí nasceu  o tema “Barra Pesada” que o Mané Leão enfrentou quando decidiu transar música. Shows com Arrigo Barnabé, Rita Lee e Elis Regina(no Canecão) quando 4 deles e mais 15 agregados moravam na rua Raimundo Correia em Copacabana, além de canjas como as do bar  Pinicilina.
Como laboratório, a rapaziada ensaiou muito no Bairro Baeta Neves, em São Bernardo do Campo, muitas vezes, de manhã cedo,  quando é melhor para se trabalhar, os arranjos foram sendo lapidados com palpites de todos e com base de tudo que foi aprendido e  ouvido. A Musica de Moacir Santos, Hermeto Pascoal , tiveram muita influência nas transas de Arrigo Barnabé, também as bandas de Tito Puente e Peres Prado, a Orquestra Tabajara de Severino Araújo, Glenn Miller, Tom, João Gilberto, Bill Evans, Herbie Hancock , Waine Shortez, todo esse povo foi ouvido e curtido sem o menor preconceito para que se saísse um som cheio de quebrados e de vitalidade da Banda. Por incrível que pareça até Discotheque teve influência na formação destes músicos. De fato, esse sotaque de metaleira com saxofones tocando em notas curtas em stacatto , vem daí. Com todos esses antecedentes a Banda Metalurgia se tornou um grupo fiel, onde todo mundo quebra tudo junto, a tempo, com o som deles mesmos e não montados em cima da idéia de um arranjador ou um solista. Essa de time de 10 cartas que atacam e defendem juntos é fundamental no trabalho da Metalurgia. A sede de música que eles tem é compreensível depois do que chamam de “DITADURA DA CANÇÃO” que é um excesso de produção na musica brasileira dos últimos anos, tendo tudo a mesma cara, a mesma roupa. Eles tem razão. Ultimamente os caras da música brasileira dão a impressão de terem ficado xaropes. Em Compensação, essa moçadinha da Banda Metalurgia está saindo com força braba mesmo – Zuza Homem de Mello agosto de 1982

Discografia- Banda Metalurgia- Gravado no Estúdio Som da Gente, entre março e Junho de 1982

Componentes da Banda:

Boccato -Trombone
Lino Simão- Sax Tenor/Sax Barítono/flauta e picolo
Nonô Camargo- Trumpete/Flughehorn
Cláudio Faria- Trumpete/Flughehorn
Jacaré - sax alto/flauta  
Julio Pelochi - Sax Tenor 
Marcelo Munari – guitarra
Edu Fiore – Baixo
Mané Leão – piano acústico e piano elétrico.
Claudinho Batera- Bateria
Participantes especiais Rogério Benati(percussão) e Ubaldo Versolato(flauta)
Ubaldo Versolato com seu sax Barítono
Bocato em uma das entrevistas no Lira Paulistano



Este blogee: Aqui foi colocado o que a anos não vemos mais, Bandinhas, entusiasmo, loucura por música e Zuza Homem de Mello em 1982 descreveu a Banda Metalurgia como ela foi, um som que atravessou décadas e você meu caro leitor ouve sem saber que a Banda Metalurgia compôs a musica...
O Tema  inicial do programa que era exibido na TV Cultura , a “Fabrica do Som” , era uma das musicas. Mas não foi só exibida na Fabrica do Som, foi e é exibida em programas de televisão, rádio.
O Tema do programa “Mais Você “  também é da Banda Metalurgia e vc ouve a mais de uma década e nem sabia!
 Essas quebradeiras que fazem da Banda Metalurgia inconfundível

Onde está aquele incentivo para a rapaziada? Cadê nosso exercito de músicos? Agora em 2013 ser músico é penoso. Mas há um lamento, as bandinhas em dias de solenidade eram alegria nas ruas, hoje bandinhas que estão com instrumentos de patrimônio municipal, tocam somente para igrejas. Oras Boccato também é evangélico e nem por isso deixou de tocar seu suingue com uma pitada de Pixinguinha, e até visualizando estar de chapéu  e sapatos de couro branco.
Essa rapaziada tem que ouvir de tudo, aprender e faça como a Banda Metalurgia, faça músicas, ouça nos sons dos pássaros, pingos das chuvas, de manhã eu posso afirmar que é o horário melhor para se compor, mas porque? Ouvimos ventos, sinos, pássaros, águias, 

 
Será que iremos ouvir no palco a Banda Metalurgia? Pergunto ao Claudio Baeta

Nenhum comentário:

Postar um comentário