terça-feira, 16 de julho de 2013

Dia 13 de Julho de 2013, dia de democracia e Cultura em São Bernardo do Campo


Batera de Claudio Baeta
Seria normal se eu abrisse meu bico para falar do Centro Livre de Música, um local, uma categoria, mas não foi assim. A Cultura é plural e o que foi discutido hoje, dia 13/07/2013 na II Conferência Cultural Municipal de São Bernardo do Campo foi pura Democracia. Pensei que iria pegar fogo, mas não foi bem assim, pois ao contrário da Conferência anterior, que ainda está em transição 2009-2013, foi diferente, melhor...
Naquela época não havia Secretaria da Cultura, estávamos ainda separados , juntos e misturados com a Secretaria da Educação e acreditávamos que fazer da secretaria ser somente a de cultura e a educação para a educação, traria melhoras em termos do dinheiro recebido que outrora era destinado para a cultura e nunca repassados, sempre a fatia da cultura ficava com a Secretaria da Educação.


O Forum Aberto de Cultura e Artes (FACA) insistiu em uma avaliação do que foi a Conferência de 2009 e o que foi determinado e resolvido naquelas instâncias  até no prazo de hoje em 2013 e pelo voto foi dito que, esta observação é causa para ser observada (está no SNC-Sistema Nacional de Cultura.
Como ao Conferência é Municipal e não Nacional e nem tampouco Estadual ficou um ar de dúvidas, mas uma da nossas reivindicações era colocar junto todo o sistema que se faz em relação à cultura, mas separado entre aspas.
Vanessa, Flavio e Adriana
Explico: O Ministério pode criar uma pasta, lei e ordem de fazer algo benéfico à Cultura, porém, o Município ou o Estado tem condições de melhorá-lo, (melhorar para os artistas e o cidadãos)
A cidade de São Bernardo do Campo, por exemplo, tem hoje 0,7% de arrecadação do PIB pra cultura, e , com esses míseros 0,7% não estamos redirecionando corretamente ou estão sendo desviados, daí uma outra proposta, saber exatamente o que é gasto, no que foi gasto, pra que foi gasto na cultura aqueles 0,7% do PIB. Mas temos outra solução que já está no SNC, pelo PEC 150  todas as cidades devem ter um fomento cultural e incentivo de 2% no mínimo e desses 2% queremos ser avisados como , quando, pra que, quem, o que será utilizado ou redirecionado! Um modo de manter de cabresto curto o que é da cultura.



Um amigo, neste dia especial diz,
Hoje foi um dia interessante e importante para nós. Não trabalhamos de modo na atuação artística, mas não deixamos de lado o engajamento cultural.

Hoje participamos da II Conferência Municipal de Cultura e foi um momento muito produtivo para o diálogo cultural da cidade. Agora necessitamos acompanhar o processo de fiscalização das diretrizes municipais sugeridas para que possamos agregar valor cultural aos munícipes e fortalecer a cultura na cidade.

Continuaremos acompanhando o processo de melhorias da cultura na cidade e estaremos apoiando e fortalecendo esta proposta, no que depender de nós.

Temos desta vez, e tomara que seja  de verdade, pessoas que vivem a realidade da Cultura Sambernadense e são elas:

Roger(Cultura Jardim Represa), em primeiro lugar
Adriana em segundo
Hélio (o circense da perna de pau)
Marcelo (Presidente da Escola de Samba Camisa Vermelho e Branco)
Danilo (em quinto)
Negão(como costumo chamá-lo) em sexto
Flavio (artista circense Clow e músco-acordeon) faltou pouco para entrar, ficando assim como suplente e o restante, até o Fernando Gaebler, não teve muitos votos, mas ficaram como suplentes.
Tive a informação de que muitos faltaram, com compromissos fora de SP  ou apenas fora do município(vida de artista é assim, um corre corre danado)
Flavio e Fernando Gaebler, ambos pertencentes também ao frupo FACA(Fórum Aberto de Cultura e Arte) são pessoas esclarecidas e fortes embora estejamos com os seis delegados eleitos confiáveis(acreditamos)
Ditinho não foi para ser eleito, mas deixou seu recado: Estão tratando a Cultura como mercadoria barata, sem valor!
Ditinho da Congada tem razão, pois irá continuar a mesma ladainha, o mesmo bla bla bla.
Eu  e o Ditinho, e acredito que muitos artistas, expressamos que não queremos Nada Além da Constituição, não estamos contra o município e nem tampouco contra o Exmo Prefeito da cidade de São Bernardo do Campo... Não, eu quero minha cidade melhor.

Quando disseram: Vamos levar a cultura para as periferias, oras , você conhece a cultura daquela periferia? Cada Bairro, cada Vila, cada Jardim tem sua cultura. O certo seria falar, “Vamos levar todas as linguagens culturais”. Porque isso? Um Parque dos Pássaros não tem a mesma visão de linguagem artística e cultural que o Las Palmas e mesmo encostado o Jardim Santo Ignácio, não tem a mesma visão cultural que o Parque dos Pássaros (quantas vilas, jardins, bairros somos?)
Temos que criar ações, atitudes estas que só serão definidas com pesquisa, senso e temos muito para pesquisar.
Uma das coisas que guardo é sempre e será a mesma, NÃO TEMOS UM DIÁLOGO FRANCO COM O PREFEITO LUIZ MARINHO. Quando impossibilitado de responder, passa a palavra para outro, afinal quem quer cultura?
Esse quer

Embora Osvaldo de Oliveira Neto seja de SP, conseguiu captar a linguagem, foi atrás de tudo e de todos, conheceu cada personalidade até os que são da oposição, mas conheceu.
Neto foi lapidado para executar na poltrona que senta agora, eu como artista, ficaria de mau e ofendido com a prefeitura se acaso não fosse ele o Secretário.

Um Senso seria ótimo se colocado em SBC para saber o que fazer, o que planejar, que moldes usar para levar as linguagens artísticas, culturais e étnicas(no caso os povos indígenas que fizeram quorum) como vender seu produto, aonde? Etc etc...
Como eu não falei do CLM, pois nem deveria, que no entanto a discussão era outra. Não poderia colocar o CLM como prioridade, e sim, nossa cidade é prioridade e todas as linguagens falam por si, junto, separado, misturado, mas um ar de maquiado, entretanto, fomos melhores que Santo André.
Santo André repudia,
O Fórum Permanente de Debates Culturais do Grande ABC, que aderiu e apoia o Movimento Cultura Livre Santo André, une-se às manifestações de repúdio sobre a forma como foi conduzida a Conferência de Cultura de Santo André no dia 15.06.2013, reproduzindo aqui texto de Silvia Helena Passarelli, originalmente publicado na rede social Facebook. 
Para ler o texto completo  CLIQUE AQUI
Não sabemos quem serão os 3 delegados(escolhidos pelo Neto) que irão fazer parte dos 9 delegados(no total) apreensivos , esperamos que sejam pessoas que façam pelo cidadão e não pela prefeitura, que seja comunitário e não base para manter o governo, que sejam executores das vontades da grande população artística, seja que linguagem for.
Lembro que muitos não vieram e estão até agora perguntando, como foi?
Eu lamento que nossos músicos estejam tão fora de sincronização , mas estes ainda não sabem o que é lutar por um pão... MÚSICOS, NESTE DIA NÃO SOMOS MELHORES E NEM PIORES, NÃO TEMOS RELIGIÃO E NEM COR, STATUS, DINHEIRO, O QUE NOS IMPORTA É O COMUM, O GRUPO, A CULTURA COMO COMUM A TODOS.
Cada emenda foi questionada, arrumada para que no futuro não haja dupla interpretação

Dia 13 foi o dia para sairmos da mesmice, de mudarmos nossos conceitos e preconceitos, quem participou conseguiu levar tua voz, seu desespero, aquilo que estava engasgado no peito, para quem se inscreveu e não conseguiu ir, lamentou muito... para quem não ligou para este ato democrático e prefere viver e dizer de “quanto pior melhor” eu quem lamenta.
Um dia , o Secretário da Saúde de SBC começou a falar que fez isso no RJ, que no interior de SP fez “trocentas” UPAs , que em cidades vizinhas fez isso e aquilo, quando derrepente, uma voz sabia diz, VAMOS PARAR? VAMOS VOLTAR PARA SBC? SENÃO VOCÊ VAI DIZER DAQUI A POUCO QUE PLANTOU UM IPÊ NO CEARÁ(não foram bem estas palavras, mas deu para pegar o sentido.
Um SECRETÁRIO DA CULTURA (que é o nosso caso) tem que avaliar a nossa realidade, o que ele já fez... fez... agora queremos discutir nossa realidade e sem pensar na realidade dos outros, como é o caso das ciclo faixas... será que precisamos gastar 772 mil por mês para colocar cones uma vez por domingo, como se faz em SP? SBC tem outra realidade. Afinal  a Robert Kennedy e a Lauro Gomes e a Aldino Pinoti são de um fluxo baixíssimo durante a semana, imagina nos domingos?

Na Cultura, esperemos que não seja tirado nenhum incentivo, estamos pensando em levar o Circo para a pista em frente ao Santander, no Paço Municipal, no estacionamento aonde é, todo primeiro domingo do mês, dado aulas de como consertar bikes, como aprender a guiar, incentivando a criançada e animando o dia.
Conto com a ETC para colocar este dado para a população, pois é benéfico, ensina, tem tudo a ver com cultura , esportes, lazer e educação, merece destaque no quadro luminoso entrando na Praça Samuel Sabatini e nos Guias Culturais!

Idéias de pessoas que descobriram os Bike Anjos e que sem dúvida é boa!


Mozart Faggi saxofonista /ciclista

Nenhum comentário:

Postar um comentário