segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Formação de Leitores, um difícil e árduo programa


A formação de leitores deveria ser a preocupação maior de uma sociedade. Formar uma pessoa para a leitura é abrir as possibilidades todas de entendimento e construção de novas histórias.

Seja através da leitura literária, técnica, informativa, os horizontes se expandem e a capacidade de entender a alegria, a dor, o momento de refletir, de agir, de parar fica muito mais clara. Ler é antes de tudo
adquirir a capacidade de optar.

Formar leitores não é tarefa fácil, consome recursos, energia e para tal é necessário uma política de formação de leitores que vá além de promoção de feiras, bienais, festas fechadas para consumo do objeto livro, a leitura está bem além do livro.

Temos que superar a deficiência dos programas e ações isolados e descontínuos, muitos deles com bastante qualidade, mas que não trazem a organicidade e integração.

Não foi a primeira vez que escrevi essas palavras, tampouco será a última, não tenho medo de ser redundante diante de uma realidade que insiste em mudar muito pouco. Sempre, sempre na luta pela democratização do acesso à leitura e informação.
 
Ricardo Queiroz Pinheiro
 
O Blog: Concordo plenamente, e não só essa prática é difícil de dar aos jovens, o vício e hábito da leitura(como seria bom) como outras artes. O problema é que as bibliotecas se esvaziam cada vez mais e menos pessoas interessadas por livros. Oras, mal sabem que no livro vc tem a história ou estória completa, onde na primeira vez poderá ser até difícil o bom entendedor, mas com o tempo interpretará melhor.
O mesmo caso ocorre com a música, não é fácil, há um longo caminho perdido, formar músicos com o atual sistema.
Quando Ricardo menciona, fomentar a leitura não é apenas bienais, feiras, festas fechadas para consumo do objeto livro, a leitura está bem além do livro. Eu se falar de música, diria as mesmas, mas situando a música.


Nenhum comentário:

Postar um comentário